É muito complicado quando as pessoas colocam a luta política circunscrita a patamares tão ingênuos e simplistas. Vivo ouvindo críticas tão rasas ao PT, a Lula e Dilma que resolvi fazer essa postagem. Essas pessoas são incapazes de ver e analisar criticamente que a chegada ao poder do PT num país como o nosso, com tantas contradições e forças políticas contrárias ao progresso social desencadeou um movimento de resistência das forças conservadoras desde o início do governo em 2003. Movimento esse que desde então se mexe, corrompe pessoas, coopta outras, inventa factoides e mentiras, gera dossiês, se cumplicia com a mídia e o judiciário, fazendo de tudo para tentar derrotar o projeto de Brasil que vem sendo construído com muita luta.

O PT é um partido que se originou da mobilização dos trabalhadores que queriam mudanças para o Brasil. Possui um projeto para o país bem delineado, organizado a partir das forças populares e se tornou o maior partido de esquerda que temos. As forças do partido vieram dos sindicatos, dos trabalhadores e de várias organizações populares. Forças essas que foram combatidas e desmanteladas várias vezes através de golpes, torturas e assassinatos. O conservadorismo nunca quis que o povo trabalhador se emancipasse e tivesse liberdade para ser mais do que escravos à sua disposição. Quanto mais que pudesse chegar de forma legítima ao poder através do voto.

fundacao-do-pt

Lula e o PT tentaram várias vezes e foram aprendendo com as derrotas e os problemas que, com o sistema político que temos, era necessário abrir mão de algumas coisas e fazer concessões aos conservadores. Assim, o PT chegou ao Governo, sem ter o poder de fazer tudo que gostaria, mas, sem abdicar de seu projeto de mudança de país e de emancipação do povo. As coligações que vieram por conta disso, não foram as desejadas, mas, eram cruciais para que o projeto construído pelo partido fosse adiante, com o sistema político e econômico que se tem.

O que queriam que fosse feito? Mais derramamento de sangue do que já existia, numa guerra civil ainda mais sanguinária do que a que travamos hoje? Sim. Continuamos em conflito! A disputa de classe é a mesma de sempre. Os expedientes e estratégias são outros, mas, em alguns casos permanecem os mesmos. Vejam alguns exemplos. As periferias e favelas continuam sendo discriminadas nos investimentos de governos estaduais e municipais, apesar do apoio do governo federal a políticas públicas que favoreçam os grupos empobrecidos. As polícias continuam matando e torturando jovens, mulheres e negros que moram nesses locais. No campo, os coronéis que perderam terreno no poder que tinham continuam matando lavradores e colonos que lutam pela terra.

Alguém em sã consciência pensava que as elites abririam mão de seus privilégios em torno do projeto popular do governo do PT? Seria de uma ingenuidade e tanto pensar isso. Mas, muitos acharam que isso era possível. Esse foi o maior erro de alguns não só do próprio partido, como também da esquerda em geral. Mas, se explica quando verificamos que nossas estruturas de pensamento foram moldadas em cima de sentimentos de subserviência, submissão e impotência. Estamos ainda construindo nossa cidadania e fortalecendo nossa autoestima. Começamos a fazer isso a partir de 2003. Cabe aqui lembrar nosso saudoso Paulo Freire que dizia que todo oprimido precisa tirar o opressor que existe dentro de si. Eu digo que isso é tão necessário para nossa cultura quanto precisamos de alimento para nosso corpo.

Nosso país tinha 500 anos de atraso, estávamos sempre sendo submetidos a circunstâncias impostas pela Europa e pelos EUA e pela nossa elite conservadora. Nosso atraso era econômico, social, humano, estrutural e político e nesses doze anos melhoramos substancialmente em vários desses itens. Em outros ainda existe atraso visceral. Mas, o que foi feito fez com que o povo pudesse construir condições de vida melhores e assim ter mais liberdade para participar ativamente de seu futuro e da política. É por isso que o PT apoia a Reforma Política. Não há povo livre sem que ele possa participar ativamente e de forma consciente da construção política de seu país. E a Reforma Política é a mãe das reformas estruturantes que o Brasil precisa.

Quem é verdadeiramente idôneo não tem como deixar de observar as mudanças e o quanto progredimos nos últimos doze anos. Irei compilar aqui alguns dados que servem como comparação do que foi feito no Brasil nas gestões do PT, primeiro com Lula e depois com Dilma. Não há como enganar que a vida do povo melhorou. Isso é sentido e visto em todo lugar que chegamos. Não podemos nos fazer de cegos ou surdos. Os fatos são claros. O Brasil  mudou e melhorou muito. A quantidade de programas que foram criados e implantados mudaram a vida dos brasileiros, além de, também propiciar a eles, mais informação sobre a forma como o Governo gasta o dinheiro dos impostos que todos pagamos. Vejam o que propiciou isso:

  1. Prouni, Pronatec e Pronaf.

  2. Minha Casa Minha Vida.

  3. Luz Para Todos.

  4. Água Para Todos.

  5. Ciências sem Fronteiras.

  6. Redução do desemprego a menos de 5%.

  7. Pagamento da dívida com o FMI.

  8. Inflação cortada pela metade.

  9. 30 milhões que não passam mais fome.

  10. 50 milhões que agora tem consulta médica com o Mais Médicos.

  11. Redução de 20% nas internações em hospitais como efeito do Mais Médicos.

  12. Brasil entre as 7 maiores economias do mundo.

  13. 18 Universidades Federais construídas.

  14. 370 Escolas Técnicas construídas.

  15. Aumento de verbas para a Polícia Federal sem interferência em sua atuação.

  16. Criação da Controladoria Geral da União e Portal da Transparência.

  17. Verba do pré sal para Educação.

Essas são apenas algumas das realizações. Temos que frisar que nada disso foi feito sem luta e sem disputa no campo da política. E também com algumas mortes e feridos. As próprias forças que se coligaram ao PT sempre tiveram seus interesses políticos e econômicos e a todo momento o cabo de guerra foi grande para fazer acontecer os programas que o PT queria implantar. A resistência ao desenvolvimento de políticas necessárias para as melhorias das condições de vida da população pobre eram imensas, e ainda são. O aprendizado é contínuo.

bandeiras

O desenvolvimento do nordeste e do norte, por exemplo, que sempre foi deixado de lado em prol de mais subsídios para São Paulo, Rio de Janeiro Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná foi colocado como uma prioridade de Governo, o que não implicou em deixar-se de lado esses estados. Todos receberam nesses doze anos muito mais investimentos do que todos os governos que passaram pelo Brasil. Além disso, os programas sociais foram disseminados em todo o país. 

Quem tem mais de 40 anos se lembra disso, ou minimamente ouviu falar das políticas do café com leite. Dos fazendeiros que sempre mandaram e que continuam querendo mandar e matando por isso. As mortes no campo acontecem não é de hoje nessas regiões. Mas, cada vez mais o povo sofrido dessas terras alcança a liberdade. Liberdade para plantar e colher, liberdade de trabalhar e viver. 

Assim, não dá para continuar acreditando no Brasil da Folha, da Veja, do Globo que só fazem campanha política para seus candidatos de sempre que os ajudaram nesses anos todos a mentir para os cidadãos brasileiros e continuam a mentir para atingir seus objetivos corporativos e empresariais em detrimento das necessidades do povo.

Também é muito esquisito ver as pessoas colocando as eleições num patamar de torcida de auditório, onde alguns são aecistas, outros marinistas e outros dilmistas. Isso é o fim da picada! É preciso que, definitivamente, entendamos que fazemos política o tempo todo e que fazer política não é participar de uma torcida organizada. Fazer política é debater os problemas a partir da conjuntura que está sendo vivida e agir coletivamente pelo bem de todos na solução dos mesmos. Dessa forma, é preciso prestar muita atenção ao que está em jogo no momento político atual.

Lula-e-dilma2A política é feita de forças que se integram e se articulam em torno de um projeto de poder. Muitas vezes é necessário fazer concessões para conseguir coisas importantes. Mas, as concessões não podem implicar em negação/substituição do projeto político de esquerda que vem sendo implantado. Se queremos vencer as desigualdades, as injustiças e as carências estruturais e humanas de nosso país, precisamos continuar no mesmo caminho.

E não há outro caminho! O PT precisa continuar no poder e ampliar sua governabilidade nos governos estaduais, no legislativo federal e estadual! Precisamos fazer uma Reforma Política! Precisamos democratizar a mídia, regulando as concessionárias que hoje fazem e dizem o que querem! Precisamos melhorar o SUS ainda mais. Precisamos melhorar a educação. Há muito por se fazer de fato, mas, o projeto de cidadania que está sendo desenvolvido no Brasil tem que continuar.  E que possamos melhora-lo e amplia-lo. Que as forças conservadoras não consigam seu intento de parar as mudanças. Para que o Brasil continue no rumo certo.