Os comparsas de Cunha e o Governo ilegítimo de Temer investiram muito dinheiro da Elite Empresarial nesse Golpe Legislativo de Estado. E eles não são idiotas. Muito pelo contrário. Ali não tem bobo! Estavam acostumados a fazer maracutaias desde o século passado, nos anos 70 e foram se especializando em roubar e esconder suas pistas, enviar dinheiro para o exterior e fazer de tudo no sentido de enriquecerem e continuarem ricos. O Cunha esperneou muito pouco no dia de sua cassação e não podemos esquecer de todos os conchavos e acordos que ele fechou com Temer e com o PSDB durante esse tempo todo. Cunha não foi cassado. Entendo que como sempre o que vimos nessa votação da cassação de Cunha foi um grande teatro, um circo armado para nos dar a impressão de que estamos no jogo ainda, quando na verdade já perdemos de goleada.

Longe de mim ser pessimista. Estou sempre na luta e com o desejo incessante de denunciar e fazer da vida desses golpistas uma dor de cabeça sem fim. Eu os condeno ao eterno constrangimento, a eterna vergonha, ao desprezo total por tudo que estão fazendo com o povo brasileiro.

Mas, não podemos dizer também que não somos responsáveis por esse estado de coisas. A elite burguesa não está vingando-se de nós somente por causa dos vários programas sociais que fizemos, dos variados projetos que promoveram a ascensão econômica de tantos que nunca a tiveram e nem por termos criado mais escolas técnicas e universidades do que qualquer outro governo. Não é somente pelo que fizemos de bom que estamos pagando.

A burguesia está nos punindo porque nós deixamos, por nos deixarmos imolar e deixar que eles sacrificassem nossos guerreiros e lideranças. Não fomos suficientemente firmes para exercer nossa indignação e nossa capacidade de lutar quando a todo momento eles nos mostravam em suas atitudes que queriam destruir o PT e seu projeto. Estão nos mostrando isso desde 2005.

A teoria do domínio do fato à brasileira foi criada por Joaquim Barbosa com o Mentirão, vulgo Mensalão que a Mídia Golpista cunhou na cabeça de muitos, inclusive de muitos da própria esquerda que se deixou levar pelo discurso moralista deles muito bem engendrado.

Eu conheço bem esse processo. Sei que o Mentirão foi um julgamento político e por nossa falta de coragem, nosso republicanismo e a eterna confusão que fazemos entre democracia e um democratismo ingênuo nós deixamos Dirceu, Genoíno e vários companheiros serem criminalizados e presos injustamente. Foi aí que eles enxergaram o que podiam fazer… E foram em frente no seu projeto covarde, mas, eficiente.

Quais as semelhanças entre Joaquim Barbosa, Sergio Moro e Deltan Dallagnol e essa equipe de engravatados da Lava Jato? Todos são golpistas! Todos são entreguistas! Todos são moralistas e corporativistas! Vários são ególatras e vaidosos! Tiveram vidas diferentes, mas, seus projetos individuais de poder foram bastante fortes a ponto de fazerem o que fizeram e o que estão fazendo. Perseguir a esquerda que o PT representa. São de uma geração que nasceu sob o jugo da ditadura e valores ensinados por ela. Quem os conhece bem são os Wickleaks e também os que sempre tiveram poder nesse país, a elite burguesa milionária patroa da mídia nativa que os nutre e movimenta.

Erramos quando deixamos nosso projeto ser destruído por subestimarmos nossos adversários e nossos inimigos de classe. Como gangsters que são, bandidos de longa data, devíamos saber que eles conhecem tudo sobre falcatruas e roubos de todos tipo e sabem como fazer para acusar alguém. Estão acostumados a plantar acusações, corromper e manchar reputações. Fazem o jogo da politicagem com ajuda da mídia golpista e do judiciário corrupto e corporativo. Erramos quando achamos que podíamos conciliar com eles e que eles nos respeitariam. Respeito é para quem tem dignidade e consciência política. Eles nunca o tiveram. A língua deles é o dinheiro e seus interesses individuais inconfessáveis.

Nós deixamos eles ganharem muito terreno. Eles ficaram cada vez mais ousados e violentos porque não fomos capazes de impedi-los. Nos deixamos devorar por inércia e por não valorizar o tempo e a experiência deles nos diversos governos que tiveram. Deixamos muitos de seus asseclas e parceiros se locupletarem em cargos onde não deveriam estar. Alimentamos um cartel judiciário que se expandiu e se especializou em entreguismos e perseguições.

E agora?

Lembro bem quando Lula disse que desde o primeiro dia de seu governo deveríamos estar nas ruas. Lembro dele ter dito também que o Governo sofre pressão de todos os lados e que o povo tinha que se fazer representar. E o que fizemos? Muitos de nós deitamos em berço esplêndido. Achamos que as conquistas que tínhamos conseguido e foram muitas, ficariam garantidas. Muitos de nós até esquecemos que antes dos Governos Lula e Dilma não existiam muitas dessas conquistas. Mas, elas também não bastaram. Não qualificamos o povo para entender o que receberam e como poderiam conquistar mais e preservar suas conquistas. Não formamos as pessoas para entender a luta de classes que todos vivemos dentro de cada instituição. Aí a mídia golpista fez o que sempre soube fazer.

Então, e agora? Vai ter que ser na porrada! Diz um ditado popular que o que não se aprende pelo amor se aprende pela dor. É o que vai acontecer conosco nos próximos tempos. O pacote de maldades e retrocessos está vindo por aí. Se quisermos preservar nossos direitos duramente conquistados vamos ter que lutar muito e resistir com força contra o Governo Golpista que se instalou na república.

Podemos ser vitoriosos, se conseguirmos juntar nossas forças. Se bobagens não forem motivo para nos separar. Se os consensos forem maiores que os dissensos.

Quiçá possamos dessa vez aprender que temos que conquistar definitivamente nossa cidadania e participação efetiva na política e não desdenhar a política e nem deixá-la aos cuidados de outros. É a participação política efetiva que nos tornará cidadãos de primeira classe. Nós temos tudo a ver com isso! Não podemos deixar nos ombros dos outros aquilo que temos responsabilidade por fazer. Que agora, ainda que tardiamente, façamos acontecer… Sempre é tempo de recomeçar.