Tenho reparado a dificuldade de vários amigos e amigas minhas em ter paciência para debater com pessoas que ainda acham que o PT que saqueou o Brasil. Elas reclamam que essas pessoas não debatem em cima de fatos e dados, não respondem com racionalidade, são extremamente emocionais, seguem uma linha de pensamento único e moralista e não racionalizam. 

Mas, precisamos ficar alertas. Não podemos nos tornar tão emocionais quanto eles. Não podemos reagir de forma a fazer o que esses que incitaram isso querem, nos dividir, nos violentar, e nos tornar instrumentos de ódio ao avesso. Ao mesmo tempo precisamos nos proteger e agir com inteligência no regime que eles criaram com esse acirramento da ignorância e da violência contra as diferenças.

Precisamos entender o nível de emburrecimento e do ódio que foi estimulado nessas pessoas com o auxílio de técnicas psicológicas poderosas. Isso não vem de agora. Durante as eleições de 2018, na verdade, fomos todos apresentados de forma contundente ao que já vem ocorrendo há mais de 10 anos com auxílio da mídia nativa e de todos aqueles que foram cooptados pelo colonialismo internacional dentro das instituições brasileiras.  

Lula quando assumiu o Brasil estava quebrado, sob intervenção do FMI e do Clube de Paris e a dívida interna líquida era de 60% do PIB. Ele pagou a dívida junto a esses organismos internacionais e baixou a dívida interna líquida para cerca de 35% do PIB. Além disso conseguiu fazer a nossa reserva internacional chegar a cerca de US$ 370 bilhões. Viramos o 3º maior credor internacional dos EUA. Tudo isso sem aumentar impostos.

Lula e Dilma fizeram obras por todo o país e foram responsáveis pela descoberta do Pré-Sal que empresas multinacionais durante muitos anos aboletadas em solo brasileiro diziam que não existia e que não valia a pena pesquisar. 

Lula e Dilma aperfeiçoaram o Ciência sem Fronteiras, criaram o ProUni, várias Universidades pelo país, milhares de Escolas Técnicas, abasteceram os Estados com muito dinheiro para que fossem construídas escolas, creches e criaram o piso do magistério. 

Quando você faz uma pesquisa no Google nos fatos e dados sobre o país de 2003 até 2014 só vemos progresso, desenvolvimento, riqueza, uma melhoria nas estatísticas na educação, saúde e emprego como jamais vimos em nenhum governo e a retirada do país do Mapa da Fome com a criação de vários programas sociais. 

Teríamos sido capazes de em 20 anos progredir de uma tal forma, que brasileiro seria definitivamente libertado das condições de miséria e pobreza em que vivia. Nos transformaríamos num país rico e mais igualitário para o povo brasileiro. Um país de oportunidades para todos.

Mas, descobrimos tarde que ter o governo não basta para necessariamente construir um país novo. A mídia nativa com seus interesses empresariais e colonialistas lutou contra os governos do PT. Eles estavam perdendo seu poder.

A nossa mídia colonial sempre soube quem eram os ladrões e os entreguistas do país. Sempre lidaram com eles. Sabiam que poderiam junto com eles desconstruir o PT no poder através das instituições, colocando no partido a “marca” do que na verdade, eles sempre fizeram e sabiam que existia. Construiram a narrativa de que o PT era corrupto, como se fosse um partido de gente “ruim”.

O grande mérito dos grandes ladrões do Brasil foi o de conhecer profundamente a máquina do governo onde muitos de seus cooptados estavam instalados de forma permanente como “técnicos” em todas as instituições, principalmente no judiciário. Gente mesquinha, sem cidadania, sem visão de nação, preocupados com seus próprios interesses. Aos poucos foram descobrindo os pontos fracos nos governos do PT, aqueles que estariam em condições de trair e criar armadilhas dentro das instituições e passaram a minar, por dentro, o que estava sendo feito.

As lideranças do PT foram ingênuas ao deixar em postos chave pessoas que trabalharam para outros governos sob o pretexto de que precisavam ser democráticos e republicanos aos escolher técnicos para o governo. Deveriam ter um critério maior para as nomeações, e, ter pessoas verdadeiramente comprometidas com o projeto de país que estava sendo construído. Até com isso a mídia trabalhou a narrativa, apesar de as informações reais nos mostrarem que o PT jamais aparelhou as estruturas de poder como eles disseram. 

Mas, o que verdadeiramente aconteceu para que estratégias de guerra, psicológicas e de comunicação construídas via redes sociais e via instituções, vindas de fora do Brasil pudessem ser colocadas em prática aqui? 

O PT mexeu num barril de pólvora poderoso. Os governos do PT começaram a cobrar de forma ativa os sonegadores de impostos e aqueles que tinham contas no exterior. Isso fez com que parte do empresariado brasileiro, políticos tradicionais, setores do judiciário (gente da classe rica e um percentual de pessoas da classe média alta), a mídia nativa empresarial e os representantes de grandes conglomerados transnacionais ficassem indignados. 

A economia do Brasil e o Banco Central brasileiro sempre trabalharam a favor dessa gente e isso seria o caminho do fim para eles. Teriam que pagar impostos e repatriar dinheiro que estava lá fora escondido. Dinheiro de corrução, dinheiro de tráfico de drogas, dinheiro de tráfico de armas e dinheiro de Caixa 2 sonegado no Brasil. As investigações e denúncias  na justiça internacional estavam acontecendo. O Brasil estava recebendo as informações lá de fora vindas da Suíça e de vários outros países que tinham paraísos fiscais. Isso, mais a possibilidade do Brasil ser soberano para cuidar de suas riquezas e não mais curvar a cabeça para os EUA, com a criação dos BRICS em 2006 foi a gota dágua. 

As relações bilaterais entre os países fomentada pelos BRICS teriam como fim ser conduzidas com base nos princípios de não-interferência, igualdade e benefício mútuo. O padrão monetário internacional, o dólar, seria colocado de lado, e a criação de uma moeda apoiada por ativos e recursos reais – incluindo recursos humanos, naturais e matérias-primas era viável e importante para esses países. Isso seria ruim para os EUA que tinham se tornado devedor e não mais credor do Brasil e poderia trazer a curto prazo prejuízos incalculáveis para o padrão dólar. 

Se fôssemos fazer uma linha histórica e cronológica veríamos que existe conexão entre a criação do que naquela época chamou-se BRIC, as questões comerciais relacionadas aos preços do petróleo no mundo, os chamados petrodólares, a crise dos preços de imóveis que impactou as famílias norte-americanas que chegou ao seu ápice de preços altos em 2006, os empréstimos sem lastro se espalhando nos EUA e a necessidade deles se realinharem econômicamente o que se explica pela crise dos bancos em 2008, o que tornou a realidade econômica norte-americana ainda pior. Foi por conta disso que eles sorrateiramente foram transformando o Brasil novamente em um quintal deles. Graças a todos os traidores do país em todas as instituições. Cidadãos ególatras que só pensaram neles e em seus interesses e não na nação e no povo brasleiro como um todo.

Conseguiram acabar com o Brasil para todos e voltaram a ter um país somente para eles. 

Os empresários que viviam ganhando subvenções, sonegando e fazendo Caixa 2 no exterior podem continuar  soltos e tranquilos. Os estrangeiros representantes das empresas transnacionais que vivem sugando nossas riquezas permanecem fazendo o que sempre fizeram.

O judiciário brasileiro com seus rendimentos estratosféricos continuam aí, ganhando cada vez mais em cima dos ombros do povo. Os políticos corruptos desde sempre continuam se protegendo, ganhando seu dinheiro enganando a população. Os militares que nunca se importaram com o povo e com a nação permanecem com seus privilégios. As filhas dos militares que ganham pensões sem nunca ter trabalhado continuam ganhando.

Tudo volta a ser como antes e o presidente que ganhou as eleições diz para uma população de 208.494.900 habitantes onde 60% deles não votaram nele, que o Brasil é conservador e tem que continuar assim. 

E a ignorância continua… Até quando?