Tá tudo em Família na Lava Jato…

Por Ricardo Costa de Oliveira no Facebook Os operadores da Lava a Jato são membros e representantes do 0,1% mais rico no Brasil, a elite mais tradicional e conservadora do sistema judicial. Quase todos operadores da Lava a Jato representam um forte poder hereditário de dentro do Estado. Os pais tiveram carreiras estatais durante o período de autoritarismo da ditadura militar. O procurador Deltan Dallagnol, o coordenador, é filho do procurador de justiça Agenor Dallagnol e pertence a seita religiosa. Carlos Fernando dos Santos Lima, procurador e estrategista, é filho do deputado estadual da ARENA Osvaldo dos Santos Lima, promotor, do partido de apoio à ditadura, foi presidente da Assembleia Legislativa do Paraná no auge da repressão, em 1973. Santos Lima é outra típica família do poder local tradicional da Genealogia Paranaense, como já demonstramos em outras mensagens. A esposa de Carlos Fernando, Vera Lúcia, era funcionária do Banestado durante a crise e escândalo do banco. O mais novo dos procuradores da Lava Jato é Diogo Castor de Mattos, que também apresenta notável rede familiar de poder na sua família. É filho do falecido procurador de justiça Delivar Tadeu de Mattos e de Maria Cristina Jobim Castor de Mattos, irmã do falecido Belmiro Jobim Castor, ex-diretor do Bamerindus, secretário de Estado várias vezes no Paraná nos anos 70-80 e do Conselho Superior da Associação Comercial do Paraná. O escritório...

Leia mais