Em pleno 8 de março, dia internacional da luta das mulheres por igualdade e direitos, vimos uma charge de um homem que se diz cartunista e que fez um desenho onde aparece a chefe da nação imobilizada e prestes a ser degolada por um terrorista.

Vimos gente cheia de ódio, gritando de suas sacadas luxuosas o nome da nossa presidenta entremeados de vários palavrões e xingamentos.

Tenho recebido mensagens no watzap e em outras mídias sociais calúnias, mentiras, fotos cheias de preconceitos e ódio contra nossa presidenta.

Hoje vi que estão mandando mensagens via watzap dizendo que a Venezuela vai mandar soldados para o Brasil para implantar aqui o comunismo. Assustam pessoas dizendo que haverá um banho de sangue aqui, tudo por culpa da Dilma.

São tempos sombrios esses nossos. É como se tivéssemos voltado à idade média e que nossa presidenta representasse tudo de ruim que existe e que, tal como nesses tempos de horror, ela fosse a bruxa que muitos gostariam de queimar viva.

Assistindo a tudo isso estamos nós nas instituições da sociedade civil onde temos nossas responsabilidades e nosso trabalho. Estamos sentindo de perto a pressão. É como se os monstros todos que estavam contidos dentro de algumas pessoas viessem à tona.

Estou profundamente incomodada com a postura leniente do Governo em relação a todas essas coisas. Como parar essa onda de ódio alimentada pela mídia e pela oposição se não há nenhuma reação da parte do Governo contra essa loucura toda?

Me preocupa também o exemplo que está sendo dado há algum tempo. Mostrar resistência e força à pressão constante da mídia é uma coisa! Não agir firmemente quando atos dessa natureza acontecem e se tornam exemplo para que outros atos sejam estimulados já é omissão.

Há violência sendo propagada por toda parte como fogo se alastrando e não estou vendo ninguém colocar a mão na massa para jogar água na fervura.

Erra o Governo por deixar que a sociedade assista a isso como se episódios desse tipo fossem exemplos de liberdade de imprensa e democracia. Não são! Jamais o desrespeito e a violência poderá ter caráter democrático.

Em tempos de Charles Hebbo e Chico Caruso não há mais nada a ser perdido. Nem a dignidade e nem a vergonha que devíamos ter na cara!

Que saudades eu tenho do Henfil…