De Vinicius Werneck em sua página Política e Cotidiano no Facebook

Tom Jobim disse, não sem razão, que o Brasil não é para principiantes. Pra mim, um dos motivos é o duelo profissional que se trava constantemente em torno dos corações e mentes dos brasileiros. De certa forma, muitas vezes nos tornamos reprodutores de um discurso que possui interesses submersos, uma origem desconhecida e consequências imprevisíveis.

Um desses discursos gira em torno da corrupção. Ele se baseia numa tríade: (1) O Brasil é um país especialmente corrupto; (2) A corrupção está vinculada preferencialmente a governos; (3) A crise é tão aguda que não há solução.

Entretanto, por conta de como se conduz o debate e a conversação social em torno do tema, temos visto cada vez mais uma confusão entre a doença e o paciente. Toma-se o que se quer evitar, a corrupção, por aquilo que sofre seus males, o governo, como sinônimos. Nada mais longe da verdade. Enquanto um dos corolários da medicina é justamente acabar com a doença sem matar o doente, a quem serve tratar da corrupção matando o governo?

A resposta é uma consequência direta desse racicocínio. E agora retornamos ao início do post, e chegamos às consequências não previstas quando entramos em um debate: quanto mais se cria uma percepção coletiva de que governos são naturalmente corruptos, mais soa plausível (e de certa forma coerente) que a única estratégia seja um governo cada vez mais enxuto. Se o governo é naturalmente o lugar da corrupção e não há alternativa, para que tanto governo?

Amigos da Globo

Portanto, tratar a corrupção como um mal inescapável do governo é uma forma de criar um clima de opinião favorável à pauta de “quanto menos governo, melhor”. A corrupção está certamente na iniciativa privada, mas você não lerá nenhum executivo defender que o remédio contra a corrupção na iniciativa privada exige a morte ou o encolhimento do paciente.

É ingênuo acreditar que isso é um debate novo. Os pais da República nos Estados Unidos já trataram esse assunto (genialmente, aliás) há vários séculos: se o mundo fosse composto de anjos, sequer precisaríamos de governo; se os governos fossem compostos de anjos, sequer precisaríamos de leis ou regras; dado que nem a população nem o governo o são compostos de seres perfeitos, precisamos de controles, de instituições, de transparência a fim de que possamos ter a melhor sociedade possível evitando justamente os males inerentes do ser humano (e não os males inerentes ao governo, viu?).

Acreditar que o Brasil é o ápice da corrupção, que esta é inerente a governos e que não há mais o que possamos fazer, serve exatamente àqueles que querem um estado mínimo (serve a outros também, mas que pegam carona na desestabilização do Executivo e não necessariamente nas percepções criadas e incentivadas no debate). O problema não é acreditar na necessidade de um estado mínimo, mas repetir um conjunto de ideias sem perceber que entramos em um jogo de construção de sentidos que possui consequências muitas vezes contrárias ao que acreditamos.

Que tal exigir melhores instituições, mais fiscalização, mais participação popular e inclusive participar mais? Que tal ler uma vez a cada 15 dias o Facebook e a página pessoal do parlamentar em quem você votou e mandar e-mails caso discorde ou queira opinar? Que tal não tratar todos os políticos como iguais, visto que eles não são (não são mesmo), pois isso favorece apenas aos ruins, pois desvaloriza o esforço daqueles que mantém a dignidade num meio tão desafiador. Que tal exigir uma imprensa séria e independente, que possa colaborar tanto com a fiscalização quanto com a condução de um debate sério dentro da sociedade? Que tal participarmos desse processo de construção da sociedade nos diversos meios já existentes?

A solução é de longo prazo e exige a participação de todos: não é um processo de heróis ou algozes individuais, embora alguns queiram fazer acreditar…