O fato dos burgueses não darem as caras nas ruas contra Temer é prova cabal de que o circo por eles armado, nada tinha a ver com repúdio à corrupção. O desejo sempre foi trocar Dilma por algum pau mandado que lhes ajudasse a concentrar renda através da exploração, a começar por livrá-los dos encargos trabalhistas.

Todo aquele chilique nas ruas e nas redes sociais tinha por objetivo criar o clima propício para os congressistas enxotarem Dilma da presidência. Conforme previsto Temer assumiu e passou a atender os caprichos desta turma com tal eficiência, que se Thatcher estivesse viva infartaria de inveja.

Devido as medidas deste corno e dos seus parceiros de rapinagem, a burguesia voltou a economizar um bom dinheiro. Daqui pra frente a tendência é o rico levar cada vez mais vantagem e o pobre cada vez mais no traseiro, nem os pobres de direita que embarcaram nesta furada estão sendo poupados.

Jamais seremos ressarcidos pelo que Temer tem nos tirado a mando destes “cidadãos de bem” que já insinuaram inclusive seu desejo de matar. Eles é que querem ser ressarcidos pelos programas sociais que outrora foram obrigados a nos pagar, trata-se de uma cobrança em todos os sentidos. 

Não importa os escândalos de corrupção em que Temer está envolvido, para esta turma o que importa é reaver os privilégios que desfrutavam antes dos governos do PT. Pra quem sempre viveu de sonegar e explorar mais-valia de mim e de você, a corrupção é lugar comum.

A hipocrisia destes moralistas sem moral é tanta que para justificar seu espetáculo usaram desculpas ainda mais contraditórias do que a corrupção. Desde dados econômicos distorcidos a um comunismo que só existe na sua imaginação, tudo pelo privilégio de nos explorar mais do que já exploravam.

Os que hoje estão nas ruas lutando para que Temer não destrua os nossos direitos é que são os patriotas de fato. Infelizmente o máximo que conseguiram foi levar chibatada dos capitães do mato, seres manipulados por Bolsonaro que não perceberam que também entrarão na chibata.

Não menos revoltante é que os que saíram às ruas contra Dilma são os mesmos que agora dizem que sair às ruas contra Temer é coisa de “petista vagabundo”. Após o impeachment agem como se o Brasil tivesse se tornado um país de primeiro mundo, e não hesitam em pintar de “vandalismo” mesmo o mais pacífico dos protestos.

Apesar dos pobres serem maioria em qualquer país, quase todos os países estão sendo governados para os ricos que são minoria do eleitorado. Não encontro outra explicação que não a falta de sintonia entre esquerda e proletariado, talvez ambos estejam sem tempo para se preocupar com outra coisa além da própria sobrevivência.

Enquanto os trabalhadores continuarem sem informações claras acerca do que acontece, é inútil esperar que esbocem alguma reação. A tragédia chegou a tal ponto que alguns até acreditam que governo bom é o que prioriza os detentores dos meios de produção, dai a necessidade da esquerda compensar a falta de tempo com criatividade

É uma luta de classes desigual, já que além de tempo a burguesia pode se dar ao luxo de através da imprensa queimar os poucos políticos que ainda lutam pelo proletariado. E se considerarmos o talento da direita pra perfumar bosta em favor do mercado, fica fácil entender porque há trabalhador aceitando até como necessária a retirada dos próprios direitos

Não sei o que esperar de um país cuja classe politica atropela as nossas necessidades básicas para engordar a pança sem fundo do grande capital. Não sei o que esperar de um judiciário que segundo teorias é imparcial, mas na prática permitiu que bandidos trocassem uma presidente honesta por um bandido

Já que o STF deixou de fazer justiça pra fazer politica, não vejo outra alternativa para o trabalhador que não fazer a revolução. Ao que parece quase todas as figuras que fazem parte do executivo legislativo e judiciário estão se lixando pra constituição, o objetivo é favorecer quem favorece sua classe social

O que mais interessa aos três poderes da república de agora em diante é atender os caprichos da burguesia, incluindo os mais indecentes. Os políticos que trabalham pelos pobres passaram a ser criminosos e os que trabalham pelos ricos passaram a ser inocentes, mesmo que ambos provem o contrário.

Autor: PC/PCO