Por Thomas de Toledo no Facebook

Como sabia que no dia 5 de agosto de 2016 ocorreria um encontro histórico entre os Orixás afrobrasileiros e os Deuses gregos, rumei ao Rio de Janeiro para a assistir à abertura dos jogos Olímpicos e aproveitar para vaiar um golpista.

13942210_1741143219473002_1933365233_n

Ao chegar ao morro do Corcovado, lá estava de braços abertos um Deus negro, com uma coroa que cobria seu rosto: era Oxalá Redentor dizendo que Zeus e sua família eram bem-vindos no Brasil. Foi quando dos quatro ventos ecoou um trovão e a voz de uma mulher com cabelos de raios gritava: Yepahê! Vinha Yansã e Xangô abrindo as nuvens para que Zeus, ao lado de Hera, descesse com sua comitiva.

As matriarcas Nanã e Gaia saudavam a união dos panteões. Neste instante, duas formosas garotas em Ipanema atraíram para si toda a atenção do mundo: a doce Yemanjá das águas do mar encontrava-se diante da bela Afrodite. A festa espalhava-se por Copacabana, onde Posseidon e Anfitrite apareciam dentre iaras, sereias, nereidas e ondinas: Oxumaré festejava desenhando um lindo arco-Íris no céu.

Foi quando caminhei em direção à Lapa e testemunhei o mais inusitado dos encontros e uma divertida troca de presentes: era seu Zé Pelintra oferecendo um trago de cachaça a Dionísio, que retribua com um garrafão de um vinho francezzz chamado Sangue de Boá. Eles bebiam, cantavam, fumavam, mexiam com as meninas e traziam os meninos pra roda. Era tambor de terreiro com percussão de bacantes e as Pombas Giras gargalhavam e atiçavam as Vestais que só pensavam em proteger a Tocha Olímpica.

A rua estava um pouco escura e segui até uma encruzilhada, quando encontrei o senhor Exu Tranca Rua, com um tridente frente a frente a Hécate, a velha que segurava em uma coleira o cão Cérbero de três cabeças. Dei um tchauzinho pros dois e fui cair num cemitério onde Obaluaê e Hades conversavam sobre assuntos que achei que não me cabiam no momento. Fiquei aliviado quando uma Preta Velha e uma velha Pitonisa tiraram-me dali e ainda deram-me vários conselhos.

Saí pela floresta da Tijuca e encontrei Oxóssi, brincando de caçada com Ártemis: ela falou que adorou ver tanta macumba por lá. Caboclos aproveitavam para cavalgar sobre o Pégaso, enquanto Caboclas trocavam flechas com Amazonas. Mas nada comparava-se à beleza de assistir Demeter e Perséfone sendo penteadas e enfeitadas por Oxum; era tanta beleza que me distraí, até que fui surpreendido por outra cena mítica: Pã tocando uma flautinha enquanto Logunedé dançava.

Foi quando tive a ideia de visitar uma favela onde estava Ogum, protegendo a entrada ao lado de Ares. Perguntei a ambos, qual era a batalha mais importante neste momento e, junto de Hermes e do Exu Mensageiro, eles responderam em coro: “FORA TEMER!”.