Morreu o policial a quem a CIA encomendou a morte de Zé Dirceu

Aconteceu sem muito alarde, principalmente por parte da mídia golpista desse país a morte no dia 24 de fevereiro desse ano do investigador  Herwin de Barros, conhecido na polícia de São Paulo como “Brucutu”. Ele está nessa foto com Zé Dirceu. Hervin de Barros salvou a vida de Zé Dirceu num momento muito complicado da ditadura empresarial militar. É interessante ver como a história de homens que fazem história se juntam e se interligam de tantas formas. A história desse investigador tem muito das contradições que a vida impõe a tantos de nós. Por outro lado, a história mostra o quanto Zé Dirceu foi perseguido, considerado perigoso e a o que os EUA são capazes de fazer para que seus interesses sejam seguidos. Alguma ligação de tudo isso com os nossos dias atuais? O que você acha? Reproduzo aqui o texto que Claudio Tognolli escreveu na data da morte Hewin, contando sua história entrelaçada ao então líder estudantil Zé Dirceu e que nos mostra o quanto a história também pode nos ensinar sobre humanidade e respeito. Vou repetir um post deste blog, de junho do ano passado, quando Herwin me entregou uma carta que fez a José Dirceu, a quem salvou a vida: e pagou caro por isso… Confira: Corria julho de 1998. O mais antigo amigo deste blogueiro, Marcelo Rubens Paiva, havia obtido documento inédito, com a brasilianista Martha...

Leia mais