A Metamorfose que Precisamos…

Home  »  Humanidades  »  A Metamorfose que Precisamos…
2 abr 2017 1 Comentário ›› ld@admin

aad22a1cd36debec0be929d1e0dafc8b

Nos últimos tempos, como sempre tenho feito na minha vida quando coisas muito ruins acontecem, fiquei um tempo de molho, numa espécie de luto purificador e reflexivo. O que seria de mim sem essa capacidade de me interiorizar e pensar a respeito de tudo? Buscar o Eu é diferente de se deprimir. Renova! Por outro lado, tenho reparado que muitas pessoas vem sofrendo e se deprimindo com tudo que está acontecendo no Brasil e no mundo.

A aceleração dos movimentos da vida e o dinamismo com que as mudanças vem ocorrendo, muitas vezes para pior tem mexido com muita gente e comigo não é diferente. Desde 2015, quando nosso Brasil se tornou refém dos bandidos sem alma que estão no poder e no governo venho correndo, lutando, fazendo o possível e o impossível para me manter equilibrada e consciente para atravessar esse período difícil.

Tenho uma característica terrível que interfere sobremaneira na minha vida. Me cobro muito sobre tudo. Para mim, se algo vai mal  é porque eu não consegui dar conta, é porque errei nas minhas decisões, repeti comportamentos e não prestei atenção devidamente nos sinais e nas possíveis consequências às minhas intervenções no cotidiano. É tão cansativo…

Mas, ser assim, ainda que mostre o meu desejo egoico de controlar tudo, e ninguém consegue controlar tudo, também mostra que me preocupo em aprender, reaprender com os erros e realizar sempre. Não tenho temor de me jogar no mundo e na vida, nunca tive medo de me arriscar, nunca tive receio de amar, nunca recuei na minha história e nos sonhos individuais e coletivos que cultivo.

Nos últimos tempos, como diria Raul Seixas, temos que ser uma “metamorfose ambulante” para aguentar as várias pressões que vem de todos os lados. Quando vemos um Golpe acontecer e tirar de nós todas as possibilidades de crescer enquanto nação soberana, quando vemos companheiros sendo intimidados e intimados pelo judicialismo político por defenderem a justiça e a humanidade, companheiras sendo desrespeitadas, xingadas e mortas nas mãos do machismo sexólatra, crianças sendo assassinadas sem dó por defensores de canibais capitalistas a gente pensa que a humanidade chegou ao seu ápice destrutivo.

E quantos zumbis aloprados! Quantos robôs cheios de lógica obtusa, centrados em suas próprias realidades egoístas que não enxergam nada a não ser seu próprio umbigo!

Até mesmo entre aqueles que você considera, as máscaras acabam caindo e mostram que solidariedade, humanidade amor, carinho e cuidado estão longe de ser qualidades da raça humana. A faculdade de apontar o dedo, se aproveitar, enganar, iludir e mascarar está mais viva que nunca. Que tempos!!!

E é nesse tempo que você e eu estamos vivendo. Adoecer num tempo como esse que estamos atravessando não é privilégio, nem sorte ou azar de ninguém. A doença não vai te fazer pior ou melhor e nem vai te absolver das consequências de escolhas que você fez e continua fazendo. Só vai te mostrar quem é você e quem é quem na história de sua vida. Só vai te fazer compreender quem realmente está ao seu lado, quem te ama e quem é seu amigo.

Na verdade, vivemos em uma sociedade doente, doente de hipocrisia, doente de mentira, doente de ódio, doente de violência e de insensatez. Como não ficar doente dentro desse sistema de crenças tão irreparavelmente destrutivo?

Mas, a doença física não aparece em vão e não é nada diante da doença emocional. Ela vem quando a sua alma está encharcada de tristeza, quando você percebe que as pessoas não estão nem aí para os seus sentimentos e para sua dor, ela se instala quando você se deixa contaminar pela falsidade e pelas mentiras, quando você não consegue ver mais nada além da escuridão da indiferença dos que se negam a ver com olhos humanos.

Estou aqui para dizer a todas e todos que, apesar de tudo isso, existe luz no fim do túnel. A doença do Ego e da Vaidade que nos impede de sentir e ver o amor e de sermos humanos pode ser destruída e podemos sim renascer das cinzas e nos refazer.

Precisamos criar nossa própria Metamorfose! Mudar! Achar nosso rumo! Fazer o nosso caminho sem medo de procurar a nossa felicidade, que muitos acham que não existe porque a procuram fora de si, nas coisas externas. Não percebem que felicidade é algo interno que nos pertence e que nos cabe deixar fluir.

Queria muito que esse texto vindo do mais íntimo rincão da minha alma pudesse ajudar outras pessoas nisso. Escrevê-lo me ajudou muito a colocar para fora todas as minhas angústias e reflexões. Que eu possa inspirar outras pessoas a se compreenderem e não se abandonarem. O sentimento de felicidade vem do amor que você sente pela vida com todas as suas contradições e sofrimentos.

Quem se ama e ama a humanidade está sempre metamorfoseando-se! Eu prefiro ser essa Metamorfose Ambulante! Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo! Feliz com todas as contradições que me fazem ser quem sou e quem serei amanhã! Eu e você podemos sim  nos construir e reconstruir quantas vezes forem necessárias à nossa história. Não há felicidade maior do que podermos fazer isso. Quando cada um puder encarar de frente suas verdades e aprender a ser mais humano, não teremos que lutar por um país mais justo, solidário e com oportunidades para todos! Faremos a justiça, a solidariedade e a igualdade acontecer!


Comentários

  1. […] Fonte: A Metamorfose que Precisamos… « Blog da Ligia Deslandes […]

Responder

Você deve logar para comentar.